Sindipetro | Por uma saúde (efetivamente) do trabalhador!
2397
post-template-default,single,single-post,postid-2397,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Por uma saúde (efetivamente) do trabalhador!

Segundo a Constituição Federal, é um direito do trabalhador urbano e rural a “redução dos riscos inerentes ao trabalho por meio de normas de saúde, higiene e segurança”. Mas, apesar de inscrito na Constituição, este é um dos direitos mais desrespeitados no Brasil.

Sim, porque nosso país é um campeão em acidentes de trabalho. Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), só ficamos atrás da China, da Índia e da Indonésia. São mais de 700 mil acidentes de trabalho por ano no Brasil.

Apesar desse diagnóstico ser conhecido e de termos uma legislação que deveria ajudar a evitar esses acidentes, o que vemos é justamente o contrário. Em nosso país, a maior preocupação tem sido com a saúde do trabalho e não com a saúde do trabalhador.

Por aqui, a preocupação governamental e dos patrões está mais com os prejuízos financeiros causados pelos acidentes e o impacto deles no sistema de seguridade social do que com a saúde dos trabalhadores em si. E, para piorar, nem dessa forma as políticas públicas são realizadas de forma plena.

Ter uma política voltada para a saúde do trabalhador (e da trabalhadora) é um desafio muito grande, visto que, de forma geral, ter mais saúde significa ter menos lucro. E é aqui que a coisa engasga. Temos toda uma estrutura voltada para a perspectiva da saúde do trabalho e não para a saúde do trabalhador.

É assim desde os cursos de Medicina até aos órgãos públicos, passando pelos serviços de saúde ocupacional das grandes empresas. Com nuances daqui ou de lá ou ainda exceções honrosas, todos esses segmentos atuam com um olhar que individualiza os problemas e culpabiliza o trabalhador e não o ambiente de trabalho.

Mudar esse quadro é essencial. Para isso, os trabalhadores contam com a sua força. É preciso trazer novamente essa discussão para o dia-a-dia dos sindicatos, engajando-os nessa luta, que é bastante ampla, pois envolve a pressão em cima de órgãos públicos, luta para a mudança dos currículos dos cursos de Medicina (bem como a democratização do acesso a eles), acompanhamento dos casos concretos de acidentados, acolhimento etc.

O desafio é grande, mas muito necessário. E nos omitir dele só vai fazer com que os índices brasileiros de acidentes de trabalho aumentem ainda mais.

 

CURSO SOBRE SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES

No dia 21 de junho, o Sindipetro/SJC sediará um curso sobre saúde e segurança dos trabalhadores com Bernardo Pilotto da Escola Paulista de Medicina (USP). A atividade terá duração de três horas, das 17h às 20h. É importante realizar a inscrição na Secretaria Geral do Sindipetro/SJC por meio do telefone 3929-7188. Participem!

Sem comentários

Postar um comentário